17 agosto 2006

Coisas pouco importantes

Acertadíssima a nota incluída ontem por Tomás Vasques no seu blogue, dando conta de que a discriminação contra os trabalhadores-fumadores começou por uma empresa pública - a TAP. A partir daqui está aberto um caminho de consequências imprevisiveis: hoje os fumadores, amanhã os coxos, depois se verá. Pois é. E o mais grave é que há por aí muito fundamentalista que até acha muito bem a histeria anti-tabágica dos nossos dias. Faz lembrar um poema de Brecht que diz mais ou menos assim:

Primeiro levaram os comunistas
mas como não era comunista
não me importei.

Em seguida, levaram alguns operários,
mas como não era operário
isso não me afectou.

Depois prenderam os sindicalistas,
mas porque nunca fui sindicalista
não me incomodei.

Logo a seguir chegou a vez de alguns padres,
mas como não sou religioso
também não liguei.

Agora levaram-me a mim
e quando percebi
já era tarde.

1 comentário:

marta disse...

Eh pá, boa!

Clap! Clap! Clap!

Também costumo usar este poema como exemplo de muita coisa. E ultimamente - quem diria?! - lembro-me dele por tudo e por nada. Sobretudo quando me fazem sentir atrasada mental por estar a fumar um cigarro. Posso ser atrasada mental à vontade? Porque sim, porque me apetece? Obrigada.